O divisor de águas anual para a iTFUTURE é o SugarCon. Através dele é possível aprender, desaprender e reaprender mais acerca de SugarCRM. A oportunidade de aperfeiçoar nosso superpoder de desenvolver o seu. Criar soluções e encontrar novos caminhos para sua empresa alcançar seus objetivos.

O maior evento de SugarCRM do mundo, SugarCon, foi aberto pelo CEO dela, Larry Augustin. Ele destacou o índice de satisfação dos usuários da plataforma, que, segundo a PC Magazine, é de 64%. Ainda segundo a revista, SugarCRM é considerado o melhor serviço de CRM pelos seus leitores no Prêmio de escolha anual de negócios da publicação. Não é a primeira e nem a segunda vez que a plataforma alcançou a melhor recomendação, mas a terceira vez! <3


É possível entender o uso do gamification para engajar com uma busca rápida no Google. Os resultados dizem que o conceito de gamification (gamificação, em português) é relativamente recente – surgiu nos anos 1970, associado a programação de desenvolvimento de softwares.

Existe uma estimativa de que até 2018, segundo o Gartner, o gamification será um mercado de mais de 5 bilhões de dólares em todo o mundo.

O método de gamification incorpora atributos presentes em games. Por exemplo, competição e cooperação e tudo que pode estar relacionado a elas – resolução de problemas, avanço de níveis de dificuldades, premiações, punições etc.


Toda empresa tem como objetivo facilitar a vida das pessoas, levando-as a um local distante de problemas. Ela pode estar ligada ao agronegócio e fabricar etanol, mas vende, na verdade, melhor performance para a vida das pessoas no trânsito. Outra empresa pode ser uma seguradora, e vender garantia de assistência à vida no trânsito. Parece que toda empresa quer manter as pessoas numa zona de conforto.

Vamos, primeiro, entender que existe uma diferença enormemente grande (assim com pleonasmo mesmo) entre zona de permanência e zona de conforto. Esta deve ser a sua zona de descanso, aquela é um local em que tudo fica para depois. Ela é perigosa. Aparenta ser terra firme, mas é areia movediça.


Você já deve ter percebido como a base das estórias de super-heróis é parecida. E, também, como a maioria deles “precisa” perder algo especial antes de se assumirem como são, super-heróis.

O Batman perde os pais muito jovem e isso o motiva a lutar contra o crime. O Homem-Aranha perde os pais ainda criança, cresce, e perde o tio – que era como um pai –, depois aprende que seus superpoderes trazem junto muitas responsabilidades.

No mundo dos negócios, as empresas também perdem. Perdem quando acham que uma venda acaba quando o cliente efetua o pagamento de um produto, e negligenciam o pós-venda. Perdem quando tratam sua equipe de vendedores como uma peça substituível, e esquecem que é ela que vai cuidar de quem paga o salário de todos da empresa, o cliente. Perdem porque não sabem que ganhar dá menos trabalho que perder – você duvida?


A SugarCRM está colocando Inteligência Artificial, aprendizado de máquina e data analytics no futuro da sua plataforma de CRM. Ela mostrou um pedaço do que está por vir nesta quarta-feira, 15/06, na abertura do segundo dia da SugarCon 2016, em São Francisco, Califórnia.

Os recursos da nova plataforma, batizada de Sugar Intelligence Service™, foram demonstrados ao vivo pelo head de produtos (Chief Product Officer) da SugarCRM, Rich Green, usando protótipos do laboratório. O Sugar Intelligence Service™ vem sendo desenvolvido pela SugarCRM com uso de tecnologias das empresas Stitch e Contastic, duas companhias compradas recentemente pela Sugar.