Por: Alex Mariano

“Implantei um CRM para minha empresa mas não é aquilo que esperava”. Tenho ouvido alguns comentários desse tipo, quando as empresas nos chamam para substituir seu sistema atual. As pessoas citam algumas dificuldades na utilização, que o sistema é falho, que não serve para o que gostariam. É curioso ouvir isso, mas comecei a refletir sobre o assunto e trago a seguinte pergunta: será que o CRM que você contratou é ideal para a sua necessidade e seus objetivos?

Para começar a responder isso devemos pensar nos problemas encontrados a partir da contratação de um CRM.

Sistemas engessados que não oferecem a visão total do cliente

Diversos modelos de CRM, digamos tradicionais, não tem a capacidade de oferecer uma solução inteligente e customizada para as demandas das empresas. A maioria não promove aquela visão 360° dos clientes, essencial para promover um melhor e duradouro relacionamento.


Por: Simone Figueira

No início do mês de maio eu tive uma experiência muito interessante e que gostaria de compartilhar com vocês. Fui convidada a participar de um curso na ESPM, que abordou a questão da gestão de relacionamento com o cliente, baseado no atual modelo de CRM e no CRM chamado 2.0, que vou explicar no decorrer do texto.

O curso, ministrado pelo prof. Ricardo Haas Tarabay promoveu alguns insights que trazem à luz caminhos a serem seguidos quando falamos em construir relacionamentos duradouros e assertivos com nossos clientes. Isso, para quem trabalha com marketing é essencial, não é mesmo?

Um desses principais caminhos, posso dizer com toda segurança é o uso da tecnologia. Hoje, no marketing é impossível desassociar o uso de recursos tecnológicos com o sucesso e bons resultados. Por isso o termo usado no começo: CRM 2.0, afinal estamos conectados e isso faz toda a diferença se quisermos criar e manter relações com os clientes.


Com um olhar velho só é possível enxergamos coisas velhas. É preciso se habituar e se adaptar às tendências do mercado e, principalmente ao novo perfil de consumidor, quando falamos de relacionamento com seu cliente e sua experiência. Por isso o que pergunto é: você está pronto para novo perfil de cliente? E sua empresa, ela está pronta para o novo modelo de CRM?

Acredito que a nossa missão é quebrar os paradigmas na questão do relacionamento com os clientes, sempre com o intuito de melhor atendê-lo. Por isso mesmo venho aqui pontuar as diferenças entre esse consumidor do passado recente e o atual consumidor.

Diferente do que ocorria no passado, quando a falta de opções no mercado muitas vezes acabava fidelizando o cliente a uma determinada empresa ou marca, meio por osmose, hoje esse mesmo possível comprador, com tantas opções no mercado, não se prende a ninguém que não oferece um serviço de qualidade com atendimento personalizado. Por isso deve-se criar um jeito para sobressair e conquistar a cada dia o cliente.


Imagine a seguinte situação: você precisa de um novo plano de saúde e está avaliando as opções no mercado. Mas na hora de contratar enxerga que não há problemas em escolher aquele plano mais básico e comum, o que todo mundo tem. Você apenas quer ter a segurança que, no momento em que precisar poderá usufruir.

Mas de repente… você quebra a perna e precisa realizar um procedimento cirúrgico complexo, como uma prótese, por exemplo. Ao ligar para o convenio você é informado que o seu plano não cobre este tipo de procedimento. E agora, o que fazer?


Uma reportagem publicada online pela IDG Connect e compartilhada pela pagina oficial da SugarCRM no facebook em março de 2016 traz um conteúdo interessante sobre o quanto o setor de TI continua firme apesar da crise atual do Brasil. Nessa reportagem também descreve como o presidente mundial da Sugar, Larry Augustin, acredita no mercado brasileiro e o por que estão investindo fortemente no país.


Fonte: www.raulcandeloro.com.br
Autor: Raúl Candeloro

A maioria das empresas tem o mesmo objetivo: conseguir mais clientes. Só que muitas não sabem qual é a maneira mais eficiente de fazer isso. Sem administrar esse processo, acabam gastando esforços desnecessários como tempo e dinheiro. Pior: mandam seus vendedores baterem de porta em porta ou ligarem para qualquer um, achando que quantidade compensa a falta de qualidade. O que geralmente não acontece.

Especialmente para o processo de conversão de clientes, ter uma lista de possíveis clientes é apenas o começo para conseguir convertê-los em compradores. Esses contatos têm de ser revertidos em vendas para a sua empresa, antes que sejam transformados em vendas para seus concorrentes.